Fique atenta: Tríade da Mulher Atleta

Fique atenta: Tríade da Mulher Atleta

O que é?  A tríade da mulher atleta é composta por fadiga, amenorréia, que é a ausência de menstruação, e alteração óssea (baixa massa óssea/osteoporose ou fratura).

 

Em quem ocorre? É mais comum em mulheres jovens e adolescentes, praticantes de atividades de endurance (como corrida de longa distância), ballet e luta. Ocorre em atletas profissionais e também em amadoras.

 

Como ocorre?  O excesso de treinos combinado com a baixa ingesta alimentar (poucas calorias) e estresse contribuem com a desordem hormonal. Na tríade, a ausência de menstruação é causada pela falta de produção de estrogênio pelos ovários, devido a falta de estímulo pelo hipotálamo (sistema nervoso central). A consequência dessa falta de estrogênio gera fragilidade óssea e assim podem ocorrer fraturas, mesmo sem queda, de maneira espontânea, mais comumente na tíbia (osso da canela).

 

Há fatores associados? Com a exigência de um corpo magro e esbelto, pré-requisito para vários esportes, quando se detecta a tríade é necessário pensar também em distúrbios como anorexia e bulimia.

 

Riscos? As mulheres que não menstruam têm de 2 a 4 vezes mais chance de fratura por fragilidade do que mulheres que menstruam.

 

Em qual momento da vida é normal perda de massa óssea, com risco de fratura? Numa mulher saudável, naturalmente, a queda de massa óssea ocorre após a menopausa, em torno dos 50 anos.

 

Como é feito o diagnóstico? Muitas vezes difícil, nem sempre toda paciente tem os 3 componentes da síndrome. O diagnóstico é feito pela entrevista médica, exame clínico, exames laboratoriais, densitometria óssea, Raio-X, tomografia ou ressonância (no caso de suspeita de fratura).

 

Estou preocupada, posso ter esse problema, quem eu procuro inicialmente? O médico mais indicado quando se pratica atividade física intensa e ocorre a ausência de menstruação e fadiga são os endocrinologistas ou ginecologistas. Se já está com dor óssea é importante também buscar um ortopedista para avaliação de possível fratura.

 

Como é feito o tratamento? O tratamento é multidisciplinar (médico, nutricionista, psicólogo e até mesmo psiquiatra quando há distúrbio alimentar) e consiste em melhorar a composição corporal com ajuste da alimentação, normalmente com aumento do aporte calórico, suplementação de cálcio, vitamina D e outros nutrientes quando há deficiências e muitas vezes terapia e tratamento medicamentoso. O apoio familiar é também de extrema importância.

 

Fontes:

  • Curr Rev Musculoskelet Med (2013) 6:195–204; Update on the female athlete triad
  • Open Access Journal of Sports Medicine 2017:8 Treatment strategies for the female athlete triad in the adolescent athlete: current perspectives

–     Sports Health Aug 2012; The Female Athlete Triad

 

Colunista: DRA DANIELA FIORIN CUBAS – CRM-PR 26.131

– Residência Médica em Clínica Médica – Hospital de Clínicas da UFPR

– Residência Médica em Endocrinologia e Metabologia pelo Serviço de Endocrinologia do Hospital de Clínicas da UFPR

– Título de especialista em Endocrinologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

– Pós-Graduanda em Nutrologia pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia)

– Corredora amadora desde 2010: incontáveis corridas curtas, nove meias-maratonas e uma maratona.

 

Atendimentos no Instituto La Beauté

Eurípedes Garcez do Nascimento, 825. Ahú. Curitiba-PR

Tel: 3053-7353/ WhatsApp: 99797-5385

Email: dradanielaendocrino@gmail.com

Instagram: @dra.daniela.endocrino

Facebook: Dra Daniela Fiorin Cubas

 

Veja também:

Preciso repor carboidrato durante a corrida?

Como se hidratar corretamente para correr mais e melhor

 

Deixe um comentário